Minha Conta

Menu

Área do Cliente

Carrinho

Nenhum produto no carrinho.

Ensaios fotográficos

Presentar

Eu sou baobá

Eu sou baobá.
Os cientistas me chamam de Adansonia digitata, mas eu sou baobá. Na escala dos humanos, sou velho, pois tenho 107 anos; mas na escala dos baobás, sou um bebê, pois posso viver milhares de anos. Para mim, o tempo é diferente do tempo de vocês. Talvez eu seja o tempo. Fui plantado no ano da graça de 1910, em uma praça que fica bem longe da minha África natal, na América do Sul, país Brasil, cidade de Fortaleza. Diz a lenda que quem me plantou foi ninguém menos que Antoine de Saint-Exupéry, o famoso piloto e escritor francês, autor de “O pequeno príncipe”, e um fascinado por baobás. Mas isto não pode ser verdade! Façam as contas: Saint-Exupéry nasceu em 1900, logo não poderia ter estado em Fortaleza com tão pouca idade. Quem me plantou foi o senhor Tomás Pompeu de Sousa Brasil, o filho do famoso Senador Pompeu. Hoje, eu reino imponente na Praça do Passeio Público, local que já foi chamado de Largo da Pólvora e Praça dos Mártires, dentre outros nomes. Daqui, eu vejo o mar e vejo a cidade. Daqui, eu verei muitas gerações de humanos. Mas o que importa para vocês é o que vi. Vi governadores de estado serem escorraçados do poder pelo povo, vi a Grande Seca de 1915 e muitas outras mais, com as consequências nefastas de dor e sofrimento que elas trazem. Vi a praça onde moro se degradar até virar um antro fétido de prostituição, e depois ser revitalizada e lentamente se recuperar como um espaço de lazer pertencente à cidade. Vi um navio petroleiro encalhar no mar bem à minha frente, e até hoje suas ruínas enferrujadas estão lá pairando sobre a água. Daqui, eu vejo muitos que passam por mim. Sou vandalizado, mas não me importo; muitos escrevem em meu tronco: assinaturas, recados, despautérios, tolices, juras de amor, desenhos de corações e outras tantas coisas que nem sei dizer. Minhas raízes são fortes, e podem ter até o dobro do meu tamanho acima da superfície. Eu conheço cada pessoa que passa por essa cidade, mesmo que tenha sido apenas por uma vez. Eu sei quem é cada um que passa por mim: mães com crianças, casais apaixonados, viciados em drogas, curiosos, fotógrafos profissionais e amadores, todo tipo de gente: gente que quer o bem e gente que quer o mal. Não posso falar, não posso me movimentar, apenas sinto. Sei o que é o presente e o passado, e sei que cada um que passa por mim terá seu destino, seja a evolução, seja o exílio. Sou da natureza, sou da terra, minha energia é forte e pode prejudicar muito a vocês se não for bem manipulada. Eu sou o que vocês nunca poderão ser. Eu sou baobá.

Download

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.